TJ-SP fala com entidades e greve sanitária continua

Tribunal aguarda posição da Secretaria da Saúde para disponibilizar teste aos funcionários

Ocorreu nesta quarta-feira (26/08) mais uma assembleia dos servidores do Tribunal de Justiça de São Paulo para debate sobre a greve sanitária decretada em julho.

Os representantes das entidades trouxeram informações sobre a reunião ocorrida ontem com o presidente da Corte, desembargador Geraldo Francisco Pinheiro Franco. A conversa ocorreu de forma virtual e apenas com cinco representantes. Após inúmeros pedidos de audiência, o TJ-SP finalmente abriu o diálogo com a categoria. Também participaram da conversa o desembargador Antônio Carlos Malheiros, e os juízes assessores João Baptista Galhardo Júnior e Rodrigo Nogueira.

Uma das definições da reunião foi a de que novas conversas serão marcadas uma vez por mês entre o TJ e as entidades. Os representantes da categoria pontuaram que a greve não é uma recusa dos servidores para trabalhar, mas sim por temerem por sua saúde e de suas famílias, uma vez que a pandemia continua em alta em todo o estado.

Um dos pontos questionados pelas entidades foi por que o Tribunal até o momento não disponibilizou a realização dos testes para seguranças dos trabalhadores. Pinheiro Franco disse que o TJ entrou em contato com a Secretaria da Saúde do Estado de São Paulo antes da retomada solicitando os testes para os servidores que fossem voltar ao trabalho presencial. E a resposta foi que para a testagem, alguns requisitos indispensáveis deveriam ser seguidos. Há pouco tempo, essa solicitação foi reiterada. E a Secretaria pediu para que o TJ aguardasse, cerca de duas semanas, pois está sendo feito um planejamento global para várias instituições e o Tribunal de Justiça está incluído nesse pacote, em vias de ser finalizado.

Os representantes do TJ-SP também afirmaram que o órgão está estudando outras situações, tais como, a de mães que não têm com quem deixar os filhos uma vez que as escolas não voltaram a funcionar de forma presencial e a situação de assistentes sociais, psicólogos e oficiais de justiça que realizam trabalhos externos o que os colocaria em situação de risco.

Durante a assembleia de hoje chegou a informação de que o TJ-SP já definiu as datas para as próximas reuniões de negociação: 30/9, 28/10, 25/11 e 16/12, sempre às 14 horas.

Diante de tudo o que foi exposto, os servidores decidiram por manter a greve, enquanto não houver proposições mais concretas por parte do Tribunal que garantam melhores condições para o retorno às atividades presenciais.

Também foi aprovado:

– Nova Assembleia virtual na próxima quarta-feira, 2 de setembro, às 10 horas;

– Encaminhamento de ofício ao TJ-SP reforçando a importância das reuniões mensais, a participação de todas as entidades e solicitando retificação da data de 28/10, que é Dia do Funcionário Público e feriado;

– Encaminhamento de ofício ao TJ-SP com os questionamentos referentes às demandas da categoria, documento assinado por todas as entidades;

– Participar do encontro da Frente Paulista em Defesa do Serviço Público na próxima segunda-feira, 31 de agosto, às 10 horas.

Sobre o(a) autor(a) Ana Carolina Rios

Jornalista pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP), bacharel e licenciada em letras pela Universidade de São Paulo (USP). Assessora de Comunicação da AASPSI Brasil desde 2012.

Deixe um comentário